Olá, seja bem-vindo! Muito obrigado pela sua visita!

domingo, 12 de março de 2017

ELEIÇÕES MUNICIPAIS A PREFEITO DE RIO NEGRINHO EM 1992


Nota do Blog: Apresentamos alguns breves aspectos da eleição municipal de 1992 a prefeito em Rio Negrinho. Obviamente inúmeros outros aspectos num estudo mais acurado futuramente merecerão menção.


A eleição municipal em Rio Negrinho de 1992 se apresentou como um puro revanchismo político. Vivendo ainda num período em que a legislação não previa o instituto da reeleição, o professor, ex-vereador e então vice-prefeito José Kormann se apresentou como o candidato do prefeito à época Guido Ruckl.
Guido Ruckl que se elegeu em 1988 como uma figura nova na política, não conseguiu deslanchar a sua administração, marcado principalmente pela forte influência do empresariado local e por suas repetidas lembranças do seu antecessor Dr. Romeu Ferreira de Albuquerque. É bom de se lembrar que ao início do seu mandato Guido Ruckl moveu uma ação judicial ao seu antecessor com uma série de acusações, que se arrastou ao longo de muitos anos na justiça.
Dentro deste clima político na disputa ao cargo de prefeito se apresentaram a eleição como candidatos: o professor, ex-vereador e então vice-prefeito José Kormann pela coligação “ALIANCA TRABALHO E ACAO POR RIO NEGRINHO”, composta pelos partidos PFL/PRN (Partido da Frente Liberal/Partido da Reconstrução Nacional), sendo o seu a vice o empresário Octavio Collodel Possami; o médico, ex-vereador e ex-prefeito Dr. Romeu Ferreira de Albuquerque pela coligação “ALIANCA TRABALHO E ACAO POR RIO NEGRINHO” composta pelos partidos PDS/PMDB (Partido Democrático Social/Partido do Movimento Democrático Brasileiro), tendo como vice o escriturário e então vereador Antonio Zaleski; o jovem empresário Mauro Mariani pelo Partido Trabalhista Brasileiro (PTB), tendo como vice o professor Abel Schroeder; e o advogado e ex-assessor municipal Paulo Gonçalo Ronconi pelo Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB), tendo como vice o empresário Luiz Eusébio Stoeberl.
Alguns aspectos interessantes que futuramente merecerão uma melhor análise. A primeira da coligação do Partido da Frente Liberal/Partido da Reconstrução Nacional, em que o PFL, fundado em 1985, é oriundo do PDS, porém, adversários políticos em nossa cidade; outro aspecto, o PRN partido fundado em nossa cidade a partir da eleição como presidente de Fernando Collor; mais o aspecto mais interessante, foi a inédita e até então impensável coligação realizada entre os dois partidos arquirrivais na política local, entre o PDS e o PMDB. O PMDB que vinha de duas amargas derrotas com o candidato Oscar Correa Vellasques, em 1982 e 1988, foi liderado pelo ex-vereador Antonio Zaleski, que decidiu em convenção sair de vice de Albuquerque. As novidades ficaram por conta da candidatura a prefeito do jovem empresário Mauro Mariani, no então recém fundado PTB, e ainda, o lançamento da candidatura de Paulo Ronconi, ex assessor de Albuquerque na Prefeitura, pelo PSDB.
O maior embate eleitoral se dá entre os correligionários de Kormann e Albuquerque, enquanto Mauro e seus apoiadores surgiram com novas propostas confrontando-se com as propostas dos antigos mandatários. Ronconi com pouco espaço de tempo no programa eleitoral se ateve a apresentar propostas e a defender o concorrente Albuquerque.
As eleições foram realizadas foram realizadas em 03 de outubro de 1992 e o apresentou o seguinte resultado final:

ELEITO

Partido
Nome
Votos
Percentual
1
PDS
11
Romeu Ferreira de Albuquerque
5.789
40,28%

NÃO ELEITOS

Partido
Nome
Votos
Percentual
2
PFL
25
Jose Kormann
4.407
30,66%
3
PTB
14
Mauro Mariani
3.856
26,82%
4
PSDB
45
Paulo Goncalo Ronconi
321
2,24%

A eleição de Albuquerque se deu principalmente com o apoio da classe popular, contra o apoio de grande parte da classe empresarial e do apoio aberto de um destacado padre local, dados a Kormann. Este padre numa pregação dominical ameaçou que se o candidato Albuquerque se elegesse ele iria embora da cidade. Com a vitória de Albuquerque em 1993 este padre cumpriu a promessa, solicitou e foi transferido da cidade.
Quanto a apresentação da candidatura de Paulo Ronconi no pleito municipal de 1992, segundo comentários à época, somente foi lançada como uma alternativa a uma possível cassação da candidatura de Albuquerque, fato que não ocorreu.
A surpresa ficou por conta da prestigiosa votação recebida pelo jovem empresário Mauro Mariani, ficando apenas 551 votos do segundo colocado, preparando a sua trajetória as próximas eleições.


Candidatos a prefeito e vice - Dr. Romeu Ferreira de Albuquerque e Antonio Zaleski - nas eleições de 1992 em Rio Negrinho

Candidatos a prefeito e vice - Paulo Gonçalo Ronconi e Luis Eusebio Stoeberl - nas eleições de 1992 em Rio Negrinho

 
Candidatos a prefeito e vice - Mauro Mariani e Abel Schroeder - nas eleições de 1992 em Rio Negrinho


Candidatos a prefeito e vice - José Kormann e Otávio Collodel Possamai - nas eleições de 1992 em Rio Negrinho


Propaganda eleitoral dos candidatos a prefeito e vice - Kormann e Possamai - nas eleições de 1992 em Rio Negrinho


Convite ao comício eleitoral no bairro Vila Nova nas eleições de 1992 em Rio Negrinho, mostra o clima de açodamento entre as campanhas de Kormann/Possamai e Romeu/Zaleski

domingo, 11 de dezembro de 2016

VEREADORES DE RIO NEGRINHO – MANDATO 1983/1989



As eleições municipais de 1982 se apresentavam com grande parte das velhas lideranças políticas fora do poder decisório.  Concorrendo para o cargo de prefeito se apresentaram pelo PDS, Alvaro Spitzner, ex-prefeito e empresário, Dr. Romeu Ferreira de Albuquerque, ex-vereador e médico e Otto Dilson Dettmer, empresário e, pelo PMDB, Oscar Correa Vellasques, empresário e ex-vereador.

As eleições municipais foram realizadas em 15 de novembro de 1982, onde uma das normas aplicadas para a eleição de prefeito foi a da sublegenda, na qual os partidos poderiam lançar mais de um candidato pelo mesmo partido, somando-se os votos dos menos votados para o mais votado.

Com este artifício eleitoral elegeu-se prefeito Dr. Romeu Ferreira de Albuquerque naquela eleição de 1982. O resultado das eleições se apresentou com o seguinte resultado: PDS - Alvaro Spitzner – 1.717 votos, Otto Dilson Dettmer – 1.608 e Dr. Romeu Ferreira de Albuquerque – 2.372 votos; PMDB – Oscar Correa Vellasques – 4.230 votos. Pelas normas eleitorais então vigente foi declarado prefeito eleito Dr. Romeu Ferreira de Albuquerque, com apenas 23,8%, para um mandato de 6 anos, ao passo que Oscar Correa Vellasques, tinha recebido 42,6%. 

Portanto, as normas eleitorais então vigentes permitiu que o prefeito declarado eleito não representasse a vontade da grande maioria da população e sim os votos depositados numa legenda eleitoral.

A Câmara de Vereadores era composta de 11 cadeiras. Para estes cargos em 1982 concorreram 43 candidatos, dos quais 21 eram do PDS e 22 do PMDB. A posse do prefeito e dos vereadores ocorreu em 01 de fevereiro de 1983, por um mandato de 6 anos.

O resultado final apurado foram de 6 vereadores do PDS e 5 vereadores do PMDB. Apresentamos a seguir o quadro final apurado naquelas eleições:



CANDIDATO

SIGLA

SITUAÇÃO

VOTAÇÃO
Olavo do Prado
PDS
ELEITO
676
Jose Kormann
PDS
ELEITO
590
Jose Euclides Carvalho
PMDB
ELEITO
536
Ilario Schneider
PDS
ELEITO
513
Vitor Reichwald
PMDB
ELEITO
448
Osmail Joaquim Nunes
PMDB
ELEITO
382
Wilson Luiz Veiss
PDS
ELEITO
357
Walcir Vidal Senna
PDS
ELEITO
350
Ermelinda T. Borella
PDS
ELEITO
346
Lauro Anton
PMDB
ELEITO
283
Elias Graboski Filho
PMDB
ELEITO
277
Jose Cavalheiro Filho
PDS
SUPLENTE
326
Waldemar Bublitz
PDS
SUPLENTE
317
Ivo Goncalves
PDS
SUPLENTE
308
Salvador Onorino Roell
PDS
SUPLENTE
263
Adolar Fischer
PMDB
SUPLENTE
236
Ivo Linzmeyer
PDS
SUPLENTE
233
Osni Marangoni
PDS
SUPLENTE
231
Vivaldo Olsen
PDS
SUPLENTE
229
Luiz Eusebio Stoeberl
PMDB
SUPLENTE
205
Joao Eladio Pscheidt
PMDB
SUPLENTE
204
Lauro Zeithamer
PMDB
SUPLENTE
197
Aristides Borges
PMDB
SUPLENTE
193
Airton Jaco Schroeder
PDS
SUPLENTE
176
Olegario Julio Martins
PDS
SUPLENTE
166
Jose Waldemiro Siqueira
PMDB
SUPLENTE
152
Antonio Milscheski
PMDB
SUPLENTE
151
Affonso Gerhard Froehner
PMDB
SUPLENTE
146
Arnaldo Lampe
PDS
SUPLENTE
136
Hiram Tomelin
PDS
SUPLENTE
127
Mario Schoeffel
PMDB
SUPLENTE
118
Jose Frederico Zemann
PMDB
SUPLENTE
116
Renato Piccinini
PDS
SUPLENTE
112
Frederico Kupicki
PMDB
SUPLENTE
108
Celio Dums
PMDB
SUPLENTE
101
Joao Pereira
PMDB
SUPLENTE
100
Mario Paes
PMDB
SUPLENTE
93
Joao Hubl
PDS
SUPLENTE
90
Alvino Dums
PMDB
SUPLENTE
87
Jose Alves Ribeiro
PDS
SUPLENTE
70
Evaldo Maros
PDS
SUPLENTE
65
Antonio Tureck
PMDB
SUPLENTE
63
Constantino Galikosky
PMDB
SUPLENTE
61


Aspecto parcial do auditório da Câmara de Vereadores, em 01/02/1983, 
por ocasião da posse do prefeito e dos vereadores.

º
Aspecto da eleição na presidência do vereador José Kormann, em 01/02/1985, para o 2º biênio da direção da Câmara de Vereadores, onde se vê, a partir da esq. Walcir Vidal Senna, 
Sergio Ferreira, Ilario Schneider, Vitor Reichwald e Olavo do Prado.

Imagem dos vereadores, no plenário, após a eleição na presidência do vereador Wilson Luiz Veiss, em 01/02/1987, para o 3º biênio da direção da Câmara de Vereadores, onde se vê, a partir da esq.  Vitor Reichwald, Elias Graboski Filho, Lauro Anton, Ermelinda Tenfen Borella, Walcir Vidal Senna, Wilson Luiz Veiss, Olavo do Prado, Ilario Schneider, Osmail Joaquim Nunes,
 José Euclides Carvalho e José Kormann.

Imagem dos vereadores, nas escadarias do antiga sede legislativa, após a eleição na presidência do vereador Vilson Luiz Weiss, em 01/02/1987, para o 3º biênio da direção da Câmara de Vereadores, onde se vê, a partir da esq., na primeira fila: Osmail Joaquim Nunes, Ilario Schneider, Ermelinda Tenfen Borella e   Vitor Reichwald, Elias Graboski Filho, Lauro Anton, Ermelinda Tenfen Borella e Wilson Luiz Veiss; 2ª fila: José Kormann, José Euclides Carvalho, Lauro Anton e Vitor Reichwald;
 e, 3ª fila: Walcir Vidal Senna, Olavo do Prado e Elias Graboski Filho.


Nota do Blog: As fotos apresentadas são do acervo de Ismael do Prado, a quem agradecemos.